segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Tamanduá, por F. Terni e C. Röhrig

Entre os galhos retorcidos
do nosso grande cerrado,
mora um bicho bem antigo,
com um focinho espichado.


Tamanduá é desdentado,
por isso não precisa
correr para o dentista.
Mas bem que deveria

marcar hora no oculista.

Quase cego e meio surdo,
seu modo de andar
parece um tanto absurdo.
Balança de um jeito engraçado,
pende sempre para um lado,
Bicharada
todo desengonçado.

Pra fincar no cupinzeiro
tem três garras
que ficam na palma da mão;

só lhe resta o outro lado
pra se apoiar no chão.

Caminhar não é a dele.
Seu negócio é nadar.
Sorte do tamanduá,
que pode se refrescar.

Sua língua muito comprida,
também é bem grudenta.
Coitado do cupim
que naquela língua senta.
E ai de quem deixar
um tamanduá chateado:
quando morde a mão da gente,
não solta, esse desdentado!



Do livro (excelente, muito belo, diga-se) Bicharada em Perigo, cuja autora é Fábia Terni. Nas ilustrações participam uma dúzia de artistas; no caso do tamaduá os desenhos são realizados por Christine Röhrig. Este livro infanto-juvenil (grande sorte a dos miúdos!) é editado pela Editorial Girafinha, de São Paulo. Se alguém gostou do poema, podia deixar um comentário?

3 comentários:

Cristina disse...

Sem dúvida nenhuma : a melhor descrição do meu chefe .

nieves disse...

Eu gostei. :)

Anónimo disse...

Your blog keeps getting better and better! Your older articles are not as good as newer ones you have a lot more creativity and originality now keep it up!